Um Sol Coração

Onde a vida está? Onde tu és?

Mês: janeiro, 2016

Perene só a Verdade

concha

a verdade é também não mentir…
mas mentimos, enganamos, nos enganamos.
então, a verdade é também saber que mente,
reconhecer a mentira, assumir o engano e agir com verdade.
portanto, atitude de verdade é também humildade,
aquele que se propõe a aprender com o que a vida dispõe.
enfim, não impõe, põe a verdade em seu fluxo natural…

Pena que pune, Pena que voa

pena

sentir pena…
é assistir ao drama,
enquanto “a vida penaliza”.

sentir compaixão…
é “agir” sem drama,
enquanto a vida disponibiliza.

Livre-mente em Si

luz

o apego impede de receber o presente.
impede o revelar da presença.

presenciar é presentear

no tempo estamos, no agora somos.
além do tempo, a presença.
em tempo, a presença presente.

Luz~Sombra~Todo

via-lactea

neste mundo…
a cada luz irradiada,
uma sombra é projetada.

atravessar as sombras…
reconhecer a fonte de luz.

luz que brota do insondável,
atravessa a escuridão espacial,
ilumina esta natureza…
que chamamos de real.

A Chave do Coração

abrir mão

por vezes…

abrir mão não é negação,

mas unir as mãos e receber…

o dom da transformação.

Proposta & Propósito para o Novo!

mandalamoon.gif

vamos cooperar, realizar juntos…
ninguém existiria sozinho,
pois nada está isolado,
realmente separado.

estamos numa teia vital…
competir nos opõe,
alimenta o conflito,
nos aliena do fluxo.

cooperar é aceitar o fluir,
que está sempre ao nosso dispor…
talvez, não seja tão visível aos olhos,
mas está nítido no ser que habita você.

o coração agradece…

Partir com Princípio

Yanomami com beija-flor

chegamos com inocência…

vivenciamos a pureza,

crescemos transformando impurezas,

vivenciamos a sabedoria,

resgatamos a inocência.

a m a r é

o a m a r

é a l m a

a o m a r

mar

Humildade, caminho à Liberdade

florirs

perdão… desapegar e fertilizar.

gratidão… semear e germinar.

compaixão… florir e presentear.

sentir-se amado… a ( l ) m a r.

Da enxurrada à Alma lavada

tempestade

assombroso é o sinal da transformação,

do caos que antecede o fluir, mas não se vê fluidez…

mas aquele que numa atitude de coragem,

resiste às dores, dúvidas e medos,

para ir de encontro à redenção,

entrega-se às águas, ventos e trovões…

lava a alma e revela a lava borbulhante do peito,

agora aberto para o novo…

sem objeto versus sujeito, é uno, pleno.

águas purificam, ventos varrem,

trovões descarregam e a terra renova-se…

(PS: Inspirado no texto “Não tema a Tempestade” da Mynzes)