“A Busca como maior obstáculo”

por EM SI: LUGAR DE GRAÇA

“Quando descanso como observador eterno, a grande busca se desfaz. A grande busca é o inimigo do Espírito sempre presente, uma mentira brutal frente a um infinito gentil. A grande busca é uma busca por uma experiência máxima, uma visão fabulosa, um paraíso de prazer, um bom tempo eterno, um discernimento poderoso — uma busca por Deus, uma busca pela Deusa, uma busca pelo Espírito, mas o Espírito não é um objeto. O Espírito não pode ser pego, ou alcançado, ou buscado, ou visto: ele é o Visionário sempre presente. Buscar o Visionário é para sempre não compreender. Como você pode buscar por algo que está agora mesmo consciente desta página? VOCÊ É ESSE ALGO! Você não pode sair por aí, buscando o
buscador. […]

Quando não sou um objeto, sou Deus. Quando busco por um objeto, paro de ser Deus, e essa catástrofe nunca poderá ser corrigida por mais busca de mais objetos. […]

Em vez disso posso descansar como observador, que já está livre dos objetos, livre do tempo, livre da busca. Quando não sou um objeto, sou Espírito. Quando descanso como observador livre e sem forma, estou com Deus, agora mesmo, neste momento eterno e atemporal. Provo o infinito e fico pleno, precisamente porque não estou mais buscando, mas apenas descansando como o que sou. […]

Antes de Abraão existir, eu sou. Antes da grande explosão, eu sou. Depois que o universo se dissolver, eu sou. Em todas as coisas grandes e pequenas, eu sou. E, ainda assim, nunca posso ser ouvido, sentido, conhecido ou visto. EU SOU é o Visionário sempre presente.” Ken Wilber

 

Trecho do Livro:  Os Mutantes – Uma Nova Humanidade para um Novo Milênio – de Pierre Weil