Um Sol Coração

Onde a vida está? Onde tu és?

Mês: outubro, 2017

Sublime Abissal

saara

labirinto deserto

paraíso deserto

paradoxos

de ser…

deserto.

 

Poemas de Luís de Camões

Amor é fogo que arde sem se ver,

é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Da alma e de quanto tiver,

Quero que me despojeis,
contanto que me deixeis
Os olhos para vos ver.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,

muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo o Mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança;
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem (se algum houve), as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria,
e, enfim, converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
outra mudança faz de mor espanto,
que não se muda já como soia.

Para: f r a s e a r

Para: d i g m a s

Para: n ó i c o s

Para: d i s í a c o s

Para: b ó l i c o s

 

Para: l e l o s

Para: d o x o s

Para: f u s o s

Para: d o x o s

 

Para: g e n s

Para: q u e d a s

Para: b é n s

Para: n o r m a i s

Dê ar, se dê arte.

a disciplina do obediente

e a coragem do rebelde

encontram-se…

na espontânea criança

do sábio inocente.

 

* Escultura com balões de Masayoshi Matsumoto.

Silêncio. Ouça o silêncio.

que a vontade de estar em paz…

seja maior que o desejo de ter razão…

não se trata de termos certezas…

mas de desenvolvermos a autoconsciência…

e fluirmos com o coração…

 

*Imagem de Dan Mountford

Gesto eTerno

complexaMente sutil

simplesMente vazio

Ser ArvoreCendo

árvores se curvam

por isso mesmo, elevam-se

são plenas, curvas em si

circulares, renováveis

realizam a espiral da vida…

“Zen e Empolgação” – Shunryu Suzuki

“Zen não é uma espécie de empolgação, e sim concentração em nossa rotina diária.”

“(…) Basta continuar a prática de maneira calma e regular e seu caráter irá sendo construído. Se sua mente estiver sempre ocupada, não terá tempo para essa construção e o esforço será estéril, sobretudo quando se empenhar nisso com demasiado afinco. Construir um caráter é como fazer pão – é necessário misturar os ingredientes pouco a pouco, passo a passo, e requer uma temperatura moderada.

Você se conhece e sabe qual a temperatura que lhe é necessária. Sabe muito bem do que precisa. Mas se ficar muito empolgado, acabará esquecendo a temperatura que lhe é adequada e perderá seu próprio caminho. Isso é muito perigoso.

O Buda fez a mesma observação a respeito do bom boiadeiro. Ele sabe qual o peso que o boi aguenta e evita sobrecarregá-lo. Você conhece seu caminho e o estado de sua mente. Não se sobrecarregue. O Buda também disse que construir um caráter é como construir uma represa. Deve-se ter muito cuidado ao erguer o muro de contenção. Se for feito precipitadamente, a água vazará. Levante o muro com cautela e terá uma boa barragem para sua água.

Nossa maneira de praticar sem empolgação pode parecer um tanto negativa. Mas não é. Trata-se de uma forma sábia e efetiva de trabalhar sobre nós mesmos. É muito simples. Considero esta questão difícil de as pessoas compreenderem, especialmente as mais jovens. Por outro lado, pode parecer que estou falando de realização gradual. Tampouco é isso. Na verdade, este é o caminho imediato, pois, quando sua prática é calma e regular, a própria vida diária é iluminação.

Trecho do livro Mente Zen, Mente de Principiante – SHUNRYU SUZUKI 

Não vou a lugar nenhum, por isso mesmo eu voo.

aw

Vamos vibrando elevadaMente…

Com os pés no Caminho…

Que é Logos aqui…

Agora em Si…

Ego é cEgo. Self é áGuia.

Com o Ego… encontramos aquele que é visão, aquele que nos possibilita olhar e ver. Ele serve ao Ser, ao Self (Si Mesmo). Eis o propósito-desafio de se conhecer e se transformar.

Com o Self… vemos aquele que somos: Permanente Impermanência… que nos possibilita Sermos o Caminho Contínuo… nesta passageira travessia que o Ego realiza junto ao Self, o Ser constanteMente Vivo…

 

“A vida não é uma tecnologia, nem mesmo uma ciência; a vida é uma arte — ou seria até melhor chamá-la de um palpite. Você tem que sentir isso. É como equilibrar-se em uma corda bamba.” Osho em The Art of Dying