Um Sol Coração

Onde a vida está? Onde tu és?

Cultive o Jardim, Zen em Si

A D U B O

O B U D A

Humildade é o Lugar do Aberto

mulher com por do sol rosa

Humildade é o estado saudável da alma, do ser que está vivo…

A virtude dos seres nobres… que são aquele que é: são…

 

Segue o caminho, dando voz ao silêncio ouvinte…

 

Gratidão a humildeMente Alda-ciosa… pela inspirAção. 🦋

Que presente?

XGltYWdlc1xjb250ZW50XGo1MXFpdTZoZ2Jfd2hhdF9pc190aGVfY29zdF9vZl9ldGVybmFsX2xpZmUuanBnfDk5MHwzLzIyLzIwMTg=

soMente agora

ajustamos futuros

do passado desajustado…

 

Só a mudança é permanente, só permaneça na mudança…

“Veja que a vida é uma grande ponte, não constrói nela tua casa, atravessa somente…”

Para para Pairar

Imagem relacionada

olhar para nada, ver o todo…

olhar para o todo, ver nada…

olhar verossímil …

tudo faz parecer…

pare! paira ser…

Ande pairAndo…

SimplesMente o Caminho

loneflower

A beleza da vida está em pequenos detalhes… em sutilezas…

O que é vivo está na simplicidade da vida… no essencial…

Mas é preciso discernir… as imprecisas pequenezas no ser humano…

 

Estar em Si… Ser Aberto… ao Silêncio que nos diz… ao Vazio que nos completa…

O Encontro

untitle

olhe e veja…

olhar profundo…

na superfície da vida…

 

* “Imagem do programa de satélites Landsat, da Nasa, uma rara visão do oceano Atlântico nas Bahamas. Os desenhos que vemos aqui são formados por areia e algas marinhas e foram esculpidos pelas correntes marinhas. E esse ponto negro? Ele é chamado de Língua do Oceano. Trata-se de um fosso profundo e escuro que separa as ilhas de Andros e Nova Providência, ambas nas Bahamas, e se conecta a uma grande formação geológica submarina conhecida como o Grande Cânion das Bahamas.” Bing

Éter-no-É

Imagem relacionada

Seja lá o que for, quem for o meio, o mediador…

Aquilo que vem e vai sem sair do lugar… é do vazio…

Conto Zen: Início do mundo

Um Discípulo pergunta ao Mestre:

– Mestre como se vivia no inicio do mundo?

O Mestre responde:

– Nos tempos em que a vida no mundo era plena, ninguém dava atenção especial aos homens notáveis, nem distinguiam o homem de habilidade. Os governantes eram apenas os ramos mais altos das árvores e o povo como os cervos na floresta. Eram honestos e justos sem se darem conta de que estavam “cumprindo seu dever”. Amavam-se uns aos outros, mas não sabiam o significado de “amar ao próximo”. A ninguém iludiam, mas nenhum deles se julgava um “homem de confiança”. Eram fidedignos, mas desconheciam que isso fosse “boa fé”. Viviam juntos em liberdade, dando e recebendo, mas não sabiam que eram generosos. Por esse motivo seus feitos não foram narrados. Eles não deixaram história.