“Arte de Morrer” – Despedida

por EM SI: LUGAR DE GRAÇA

(…) “Cito abaixo alguns trechos das palavras de despedida de Buda.

Imagem relacionada

A mente desonesta é incompatível com o Caminho.  Por esta razão  devem cultivar a honestidade.

A pessoa de muitos desejos, que procura grandiosidade apenas para si mesma, sofre muito.

Uma pessoa de poucos desejos  não manipula a mente dos outros através da desonestidade. A mente de quem tem poucos desejos é tranquila e sem preocupações.

Para se libertar de todo o sofrimento é preciso conhecer o contentamento.  O contentamento é a condição da prosperidade e do bem estar.

Sintam prazer na quietude e na tranquilidade. As pessoas ávidas por companhia sofrem dificuldades por excesso de companhia, assim como uma árvore corre o risco de murchar se muitos pássaros viverem nela.

Mantenham o esforço correto, a diligência, assim como o constante gotejar da água fura uma rocha.

Não percam a atenção correta ao procurar por um mestre ou um amigo.  Se perderem a atenção correta, as paixões poderão entrar e perderão todos os méritos.

A mente devem estar concentrada, capaz de compreender o surgir e o desaparecer de todas as coisas no mundo.

Se tiverem sabedoria não terão ganância.  Se possuírem o brilho da sabedoria poderão ver claramente, com seus próprios olhos.

Se quiserem obter a benção de Nirvana (paz), devem extinguir o mal de falar à toa.  Não se engajem de forma leviana em conversas inúteis.

Este é o ensinamento final.

Não se lamentem.  Não existe encontro sem despedida.

Façam da Verdade o seu mestre e eu viverei para sempre.

 

Hoje (15 de fevereiro), ao celebrar o Parinirvana de Buda deixo a vocês as seguintes questões:

Se você soubesse que iria morrer em algumas horas, estivesse em plena lucidez e cercada/cercado de seus filhos, netos, amigos, alunos, discípulos, parentes, pessoas amadas, colaboradores, o que diria a eles?

Qual é o seu ensinamento final?

Qual a mensagem de sua vida?

Reflita em si mesmo.

 

Meu ensinamento final:

Entregue-se a vida. Aceite a vida.

E aceite a sua vida entregando-se a mudança.

Aceite a mudança. A mudança é vida.

A mensagem da minha vida:

Mais importante do que continuar até o fim, é recomeçar quantas vezes for preciso. E assim, dar fim, renovando em si o princípio.

AnowA (03/04/2019, quarta-feira, às 17:52)

 

* Trecho do texto Arte de morrer – Budismo – Zen budismo por Monja Coen.