I N O W A

EM PAZ. POR AMOR. TUDO ACABA DE ACONTECER.

Mês: maio, 2019

Um como Outro: Todo.

Olhar a vida e… Se ver… A vida…

Imagem relacionada

O que nós procuramos está na criança… O que a criança encontra… É laço… E está continuamente em nós… Ser nu e continuamente… Reatar o laço em nós…

Anúncios

Por ora, a caminho…

Caminho em todo… Em nenhum… Em si…

Resultado de imagem para o caminho zen

no caminho

do meio

não há lados.

no caminho

do silêncio

não há palavras.

no caminho

não há busca e buscador

mas caminho…

 

 

Todo sorTudo

Imagem relacionada

A pessoa de sorte,

Aposta na sorte,

Desdobrando…

A sorte em si.

 

“Estou ficando nu… Sorrindo, eu não sinto vergonha alguma… Com quem eu sou…” Lucky Man – The Verve

tudo num todo

Imagem relacionada

vemos e sentimos de tudo.

ouvimos e falamos de tudo.

imaginamos e pensamos de tudo.

experimentamos e conhecemos de tudo.

Resultado de imagem para TORUS crop circle

até começarmos a perceber…

e quem sabe compreender…

o que há em tudo, o que é tudo:

nada mais que um todo…

recriando-se…

experienciando-se…

Ser, modo de ser.

É maravilhoso ver do alto. É doloroso chegar no alto. É moroso sair do auto…

Resultado de imagem para subir a montanha caminhando himalaia

ser comum

é o modo de

ser um todo.

 

Simples. Simplesmente difícil.

OM. UM. COMUM.

Dia e noite.

Religiosamente.

Noite e dia.

FB_IMG_1559044806755

“Quando o sol está quente e o estômago cheio, você parece um praticante. Quando contrariedades e tempos difíceis surgem, você é realmente muito comum!”

 

Imagem: “Manjushri” é uma deidade do Budismo Tibetano. “Manjushry, cujo nome significa nobre, gentil, vê a essência de cada evento fenomenal.” Taigen Daniel Leighton

“Desfazendo Equívocos” sobre o Budismo

Se você quer milagres, não procure o Budismo. O supremo milagre para o Budismo é você lavar seu prato depois de comer.

Se você quer curar seu corpo físico, não procure o Budismo. O Budismo só cura os males de sua mente: ignorância, cólera e desejos desenfreados.

Se você quiser arranjar emprego ou melhorar sua situação financeira, não procure o Budismo. Você se decepcionará, pois ele vai lhe falar sobre desapego em relação aos bens materiais. Não confunda, porém, desapego com renúncia.

Se você quer poderes sobrenaturais, não procure o Budismo. Para o Budismo, o maior poder sobrenatural é o triunfo sobre o egoísmo.

Se você quer triunfar sobre seus inimigos, não procure o Budismo. Para o Budismo, o único triunfo que conta é o do homem sobre si mesmo.

Se você quer a vida eterna em um paraíso de delícias, não procure o Budismo, pois ele matará seu ego aqui e agora.

Se você quer massagear seu ego com poder, fama, elogios e outras vantagens, não procure o Budismo. A casa de Buda não é a casa da inflação dos egos.

Se você quer a proteção divina, não procure o Budismo. Ele lhe ensinará que você só pode contar consigo mesmo.

Se você quer um caminho para Deus, não procure o Budismo. Ele o lançará no vazio.

Se você quer alguém que perdoe suas falhas, deixando-o livre para errar de novo, não procure o Budismo, pois ele lhe ensinará a implacável Lei de Causa e Efeito e a necessidade de uma autocrítica consciente e profunda.

Se você quer respostas cômodas e fáceis para suas indagações existenciais, não procure o Budismo. Ele aumentará suas dúvidas.

Se você quer uma crença cega, não procure o Budismo. Ele o ensinará a pensar com sua própria cabeça.

Se você é dos que acham que a verdade está nas escrituras, não procure o Budismo. Ele lhe dirá que o papel é muito útil para limpar o lixo acumulado no intelecto.

Se você quer saber a verdade sobre os discos voadores ou sobre a civilização de Atlântida, não procure o Budismo. Ele só revelará a verdade sobre você mesmo.

Se você quer se comunicar com espíritos, não procure o Budismo. Ele só pode ensinar você a se comunicar com seu verdadeiro eu.

Se você quer conhecer suas encarnações passadas, não procure o Budismo. Ele só pode lhe mostrar sua miséria presente.

Se você quer conhecer o futuro, não procure o Budismo. Ele só vai lhe mandar prestar atenção a seus pés, enquanto você anda.

Se você quer ouvir palavras bonitas, não procure o Budismo. Ele só tem o silêncio a lhe oferecer.

Se você quer ser sério e austero, não procure o Budismo. Ele vai ensiná-lo a brincar e a se divertir.

Se você quer brincar e se divertir, não procure o Budismo. Ele o ensinará a ser sério e austero.

Se você quer viver, não procure o Budismo, pois ele o ensinará a morrer.

 

por Reverenda Yvonette Silva Gonçalves

O tempo todo. A todo tempo.

Imagem relacionada

Agora é o Caminho. O Caminho é Agora… em Si.

 

Que meu tempo seja terno, pois só o tempo é eterno.

 

* Deserto da Namíbia.

 

“Esse caminho tem coração?”

Fazer simplesmente a nossa parte… inteira. Cuidando de onde estivermos, pois aqui estamos.

Resultado de imagem para Carlos Castañeda Don Juan Matus

Caminho no silêncio.

Caminho em oração.

Caminho do coração.

Imagem relacionada

Esse caminho tem coração? Todos os caminhos são os mesmos: não conduzem a lugar algum. São caminhos que atravessam o mato, ou que entram no mato. Em minha vida posso dizer que já passei por caminhos compridos, mas não estou em lugar algum. A pergunta de meu benfeitor agora tem um significado. Esse caminho tem um coração? Se tiver, o caminho é bom; se não tiver, não presta. Ambos os caminhos não conduzem a parte alguma; mas um tem coração e o outro não. Um torna a viagem alegre; enquanto você o seguir, será um com ele. O outro o fará maldizer sua vida. Um o torna forte; o outro o enfraquece.” Don Juan Matus, mestre de Carlos Castaneda.

 

* Fonte: TomSimões.com

“O Tempo e a Empatia” – Leonardo Maia

Num tempo onde não se pode perder tempo, não temos tempo para as coisas mais essenciais. Essenciais? Sim… o que chega na essência. Para se chegar a essência é preciso dedicação… dedicar meu tempo e meu espaço interior para aprofundar minha percepção.

Resultado de imagem para tempo e empatia

Mas a demanda de compromissos e o tempo corrido não nos permite mais a este luxo. Mesmo quando estamos sem o compromisso, nossa mente não consegue mais desacelerar, e ela continua preocupada (pré-ocupada). O ócio acaba nos trazendo um incômodo, um vazio inquietante.

A vida moderna exige que estejamos atentos e ativos. Tempo é dinheiro, consumo ou diversão (distração). Mas isso nos torna extremamente focados em nossas necessidades e compromissos, nos faltando tempo para olhar o outro. Tempo para ouvir, perceber e acolher o outro com interesse genuíno, não egoísta – onde essa atenção poderia me trazer algum benefício. O sofrimento do outro passa a ser responsabilidade exclusivamente dele, cada um com seus problemas. Eu me torno indiferente a eles.

Mas a calma e a tranquilidade aprofunda minha conexão com o mundo ao meu redor, ao contrário da pressa, que mantém minhas relações na superfície (superficiais). Minha percepção aumenta e com ela, minha sensibilidade e minha atenção. Começo a apreciar as coisas. O mundo, a natureza, o outro, a música, a arte, a solidão e a interação. Para isso é preciso estar no tempo e não correr contra ele.

O tempo é amigo da empatia, a falta dele… da indiferença.
O tempo é amigo da percepção, a falta dele… da insensibilidade.
O tempo é amigo da tranquilidade, a falta dele… da tensão e do estresse.
O tempo nos leva à essência, a falta dele… à superficialidade.
O tempo nos leva ao altruísmo, a falta dele… ao egoísmo.

Se você está correndo demais com seus compromissos, anda muito ocupado e estressado? Cuidado… você pode estar fora do tempo. Procure se proporcionar uma vida com mais tempo: tempo sem compromisso, tempo com a família, na natureza ou qualquer outro tipo de meditação.

por Leonardo Maia

 

Fonte: Antroposofy.com.br