Conto Zen: Poeira

por EM SI: LUGAR DE GRAÇA

O salão de meditação (zendo) vivia empoeirado, e Chao-chou costumava varrê-lo, assim como ao pátio em frente. Certa vez perguntaram a Chao-chou:

“Por que, mestre, este santo zendo está sempre atraindo tanta poeira?”

Chao-chou exclamou:

“Oh, veja! Ali está outro grão de poeira!!”

 

Meu insight: Ver a vida como ela é, exige clareza mental. Varrer o que ofusca, limpar o que desfoca a mente. Estando abertamente centrado, concentrado no caminho por onde se anda.