O que nos assombra? O que nos ilumina?

por EM SI: LUGAR DE GRAÇA

“Abrace a sua sombra e traga ela pra vida. As vezes, no escuro se encontra a saída.”

Imagem relacionada

O que não está claro e tememos é o sombrio. O que está esquecido mas negamos, rejeitamos, abandonamos e mantemos escondido é sombrio. O que não queremos mostrar, o que impedimos de se revelar, o que negamos estar em nós, o que não se expressa é a nossa sombra que nos assombra… assombrando a realidade que se vivencia.

Pode ser uma dor sentida, uma dor ressentida – o sofrimento, pode ser uma memória ruim e o medo daquilo se repetir, um erro, um engano, uma decepção, um apego, um segredo não tão bonito, pensamentos ofensivos e opressivos, sentimentos egoicos, julgamentos injustos, preconceitos, justificativas e pode ser o que há de mais puro em nós, mas está obscuro, bloqueado por nós e nos deprimindo…

Todas as formas de velar-se, de aparentar o que não é, de fingir como está, de ocultar a luz do entendimento, a clareza do discernimento, todo modo de evitarmos, fugirmos ou bloquearmos a nossa sincera, legítima e espontânea expressão… não pacifica nosso mundo interior, não limpa a consciência, não estamos em sã consciência… somos o anti-herói da própria existência…

 

É preciso chorar.

É preciso botar pra fora… o que nos paralisa.

É preciso esvaziar-se do que provoca o nosso vazio existencial.

É preciso ouvir e ser ouvido, ver e ser visto.

É preciso se respeitar, se aceitar, assumir-se e acolher-se.

É preciso cuidar-se, amar-se, se refazer e se curar.

É preciso realizar as tais catarses e…

Unir-se àquilo que é em si… o vivo.

 

É insuportável viver repetindo-se e se consumindo pelo desamor e sofrimento… Reciclar-se e se renovar é a forma de manter-se sustentável no presente da plena presença… É tempo de aprender a crescer pelo amor e florescer na cura… Tempo de refazer as asas com as próprias penas… e encontrar-se nas alturas do céu aberto-coração…