Um Sol Coração

Onde a vida está? Onde tu és?

Tag: depressão

Entrei na dança.

Imagem relacionada

partimos quando a incerteza nos consome…

partimos quando o perigo nos desespera…

partimos quando o pânico nos paralisa…

partimos quando o sofrimento nos dilacera…

partimos quando o sentido é insustentável…

partimos quando a existência é insuportável…

por fim partimos…

partimos para a mudança, com a mudança, pela mudança…

só a mudança é imutável…

 

O que a vida quer? Coragem… Entrar na dança é o que há… e o que é… Em si-agora é que se dança a dança…

Degradando, não mais…

Se é dando que se recebe… Então, vamos acordar e agradecer… Fazendo a graça descer, desfazendo aquilo que nos impede de se elevar…

Lagoas formadas pela água das chuvas - Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses

Não tenha medo de desagradar, medo de ser desaprovado…

Pois se alguém não se desagradar ou não te aprovar…

Possivelmente você está se desagradando e desaprovando…

Escolhendo deixar… O envelhecido passado…

Escolhendo receber… Um futuro renovado…

Aceitando o presente… Que ando escolhendo e colhendo…

Tentando outra vez… Escolhendo nova-mente…

Sê lar. Ao aberto regressar.

“Sem lama não há lótus.”

lotus

sendo leve, elevando

acessando a alma, acalmando

sendo em si, silenciando…

 

libertando sofrimentos… amando aquele que sofre… aceitando aquele que inevitavelmente gera sofrimentos… mas transforma em cura…

A Senda: Acenda, Ascenda, Sendo Luz.

Quando em sua mente, o passado não passa… é tão somente uma presente e doída ausência…

Imagem relacionada

Quando esvaziamos a mente… não há passado nem futuro, somos simplesmente o presente… em si-agora, plena presença…

Na raiz do coração brota a vida… Na fonte do ser brota a fé… Na presença em si brota a tua paz, a tao verdade…

Atravessar as sombras, sendo luz… Acolhendo-se, se perdoando, agradecendo por ser este que é…. Aceitando a misteriosa revelação que é existir…

Imagem relacionada

Ar, silenciAr… Orar, ancOrar…

Ou doma ou domado.

Dome o medo. Dome-se… Atravessando medos.

Em mente, o medo. Em si, a verdade.

Em mente, preconceito. Em si, liberdade.

Em mente, o fim. Em si, o caminho.

Em mente, pensamentos. Em si, vazio.

 

É um círculo abertaMente vazio… Ao transformar teu círculo vicioso…

Pare de se Levar. Decida Elevar-se.

Resultado de imagem para autocura

Inevitavelmente… Crescemos fisicamente e envelhecemos…

Decididamente… Crescemos psiquicamente e vamos rejuvenescendo…

Há sempre um caminho a seguir, aquele caminho que lhe pertence, o caminho abertamente para você, caminho da autorrealização, o caminho do coração… escolha este caminho… o seu próprio caminho…

Retrate a sua vida… escrevendo a sua intransferível história… Trate de ser a arte de ser… Trate-se com amor e respeito, com bom humor e carinho… Trate de si mesmo… Cuidando do ser e estar… Em cada instante do céu caminho…

Gratidão por tudo, por todos, gratidão ao todo… 🐛💕🦋

“Ostra feliz não faz pérola”

Resultado de imagem para “Ostra feliz não faz pérola”

“Ostras são moluscos, animais sem esqueleto, macias, que representam as delícias dos gastrônomos. Podem ser comidas cruas, com pingos de limão, com arroz, paellas, sopas. Sem defesas – são animais mansos –, seriam uma presa fácil dos predadores. Para que isso não acontecesse, a sua sabedoria as ensinou a fazer casas, conchas duras, dentro das quais vivem. Pois havia num fundo de mar uma colônia de ostras, muitas ostras. Eram ostras felizes. Sabia-se que eram ostras felizes porque de dentro de suas conchas saía uma delicada melodia, música aquática, como se fosse um canto gregoriano, todas cantando a mesma música. Com uma exceção: de uma ostra solitária que fazia um solo solitário.

Diferente da alegre música aquática, ela cantava um canto muito triste. As ostras felizes se riam dela e diziam: “Ela não sai da sua depressão…”. Não era depressão. Era dor. Pois um grão de areia havia entrado dentro da sua carne e doía, doía, doía. E ela não tinha jeito de se livrar dele, do grão de areia. Mas era possível livrar-se da dor. O seu corpo sabia que, para se livrar da dor que o grão de areia lhe provocava, em virtude de sua aspereza, arestas e pontas, bastava envolvê-lo com uma substância lisa, brilhante e redonda. Assim, enquanto cantava seu canto triste, o seu corpo fazia o trabalho – por causa da dor que o grão de areia lhe causava.

Um dia, passou por ali um pescador com o seu barco. Lançou a rede e toda a colônia de ostras, inclusive a sofredora, foi pescada. O pescador se alegrou, levou-as para casa e sua mulher fez uma deliciosa sopa de ostras. Deliciando-se com as ostras, de repente seus dentes bateram num objeto duro que estava dentro de uma ostra. Ele o tomou nos dedos e sorriu de felicidade: era uma pérola, uma linda pérola. Apenas a ostra sofredora fizera uma pérola. Ele a tomou e deu-a de presente para a sua esposa. Isso é verdade para as ostras. E é verdade para os seres humanos.

No seu ensaio sobre O nascimento da tragédia grega a partir do espírito da música, Nietzsche observou que os gregos, por oposição aos cristãos, levavam a tragédia a sério. Tragédia era tragédia. Não existia para eles, como existia para os cristãos, um céu onde a tragédia seria transformada em comédia. Ele se perguntou então das razões por que os gregos, sendo dominados por esse sentimento trágico da vida, não sucumbiram ao pessimismo.

A resposta que encontrou foi a mesma da ostra que faz uma pérola: eles não se entregaram ao pessimismo porque foram capazes de transformar a tragédia em beleza. A beleza não elimina a tragédia, mas a torna suportável. A felicidade é um dom que deve ser simplesmente gozado. Ela se basta. Mas ela não cria. Não produz pérolas. São os que sofrem que produzem a beleza, para parar de sofrer. Esses são os artistas. Beethoven – como é possível que um homem completamente surdo, no fim da vida, tenha produzido uma obra que canta a alegria? Van Gogh, Cecília Meireles, Fernando Pessoa…”

Ostra feliz não faz pérola – Rubem Alves

aDeus pressão.

Imagem relacionada

Depressão é “agressão voltada para dentro”, negação do que e de quem machuca…

Perdão é liberar, Aceitação é libertar “o que está (re)voltado para dentro”…

 

Ser verdadeiro consigo mesmo liberta… Ser compassivo cura a si mesmo…

🐛💞🦋

Depressão é somente um estado em desarmonia… Nós somos Um… Universo harmônico… “Entregue, Confie, Aceite e Agradeça”… Em si está aquele que tanto procura… E intimamente lhe cura…

 

Emano uma Luz Curativa a você! 💛

Sobre o Julgamento – OSHO

Por que fazemos o mal? - Transformando a sombra personalidade

“Um dos exercícios mais praticados pela humanidade é o julgamento.

Julgamos o outro, baseados em nosso código de valores, nossas percepções e naquilo que nossa imaginação cria a respeito de cada pessoa com a qual convivemos.

Ocorre que nem sempre esta avaliação se mostra correta e, por essa razão, ao julgar corremos o risco de cometer equívocos e praticar injustiças.

O pior que pode acontecer quando julgamos alguém é, sem dúvida, não levar em conta os sentimentos daquele que estamos criticando.

Por mais que não concordemos com as atitudes de uma pessoa, não podemos nos esquecer de que elas são motivadas, de um modo geral, pelas suas emoções e que agindo de modo rígido e inflexível também estamos nos deixando levar por nosso lado emocional.

Saber reconhecer quando estamos sendo influenciados por nossos conflitos internos no momento em que avaliamos as ações alheias, é o primeiro passo para que possamos abandonar a postura de juízes implacáveis e nos colocar no lugar de quem estamos julgando.

O sistema judiciário se baseia em leis pré-concebidas com o objetivo de garantir a convivência civilizada entre os seres humanos. Mas, fora desta esfera, nas atitudes cotidianas, nos arvoramos muitas vezes no papel de juízes implacáveis daqueles que não se enquadram em nossos hábitos e costumes.

Humildade, sabedoria e a capacidade de aceitar as diferenças de modo tolerante, constituem os melhores instrumentos para que escapemos da armadilha do julgamento.
Quando você diz que você se julga, isso é algo tomado emprestado. As pessoas julgaram-no, e você deve ter aceitado as idéias delas sem nenhuma investigação. Você está sofrendo de todas as espécies de julgamento das pessoas, e você está jogando esses julgamentos nas outras pessoas. E todo esse jogo desenvolveu-se além da proporção – a humanidade inteira está sofrendo disso.

Se você quiser livra-se disso, a primeira coisa é esta: não se julgue. Aceite humildemente sua imperfeição, seus fracassos, seus erros, suas faltas. Não há nenhuma necessidade de fingir outra coisa. Seja você mesmo: “É assim mesmo que eu sou, cheio de medo. Eu não posso andar na noite escura, não posso ir lá na densa floresta.” O que há de errado nisso? – é humano.

Uma vez que você se aceite, você será capaz de aceitar os outros, porque você terá um clara visão interior de que eles estão sofrendo da mesma doença. E a sua aceitação deles, os ajudará a aceitarem-se.

Nós podemos reverter todo o processo: aceite-se. Isso o torna capaz de aceitar os outros. E porque alguém os aceita, eles aprendem a beleza da aceitação pela primeira vez – quanta tranqüilidade se sente! – e eles começam a aceitar os outros.

Se a humanidade inteira chegar ao ponto onde todo mundo é aceito como é, quase noventa por cento da infelicidade simplesmente desaparecerá – ela não tem fundamentos – e os seus corações se abrirão por conta própria e o seu amor estará fluindo.

Neste exato momento, como você pode amar? Quando você vê tantos erros, tantas fraquezas… – como você pode amar? Você quer alguém perfeito. Ninguém é perfeito, assim, você tem de aceitar um estado de não-amor, ou aceitar que não importa se alguém não é perfeito. O amor pode ser compartilhado, compartilhado com todas as espécies de pessoas. Não faça exigências.

O julgamento é feio – ele fere as pessoas. Por um lado, você vai machucando, ferindo-as; e por outro lado, você quer o amor delas, seu respeito. Isso é impossível.

Ame-as, aceite-as e, talvez, seu amor e respeito possa ajudá-las a mudar muitas de suas fraquezas, muitas de suas falhas – porque o amor lhes dará uma nova energia, um novo significado, uma nova força. O amor lhes dará novas raízes para se erguerem contra os ventos fortes, um sol quente, a chuva forte.

Se apenas uma única pessoa o ama, isso o faz tão forte, que você nem pode imaginar. Mas, se ninguém o ama neste vasto mundo, você fica simplesmente isolado; então, você pensa que é livre, mas você está vivendo numa cela isolada em uma cadeia. É que a cela isolada é invisível; você a carrega consigo.

O coração abrirá por si mesmo. Não se preocupe com o coração. Faça o trabalho preparatório”.

Osho em The Transmission of the Lamp.

Fonte: VentosDePaz

O sentido é sentir-se…

north-shore

Quando nada mais faz sentido…

Faça nada mais que sentir-se amado…

Desfazendo em si o mal entendido…

 

Esteja em si.. No silêncio renovador, fonte inesgotável da paz interior… Além das ondas… É sempre mar aberto… Naquele oceano de amor…