Um Sol Coração

Onde a vida está? Onde tu és?

Tag: dhamma

“Ansiamos por paz de espírito.”

Lago das Cinco Flores, Parque Nacional Jiuzhaigou, província de Sichuan

Ansiamos por paz de espírito.

Quando pensamentos indesejados nos assolam

queremos erradicá-los.

Os pensamentos, no entanto não são o problema.

É a ânsia de estar em paz

que abre as portas da agitação.

 

Difícil, na verdade, é apenas observar os pensamentos.

Nos envolvemos com cenários sedutores.

Fugimos de repetições aterradoras.

Queremos acabar com esse vício

de atração e repulsa.

Mas é este mesmo querer

que estimula mais ainda os pensamentos indesejados.

 

Sabedoria não brota do pensar

mas de ver com clareza

essa nossa ânsia

de nos livrarmos da agitação.

O pensador é uma pessoa.

Aquele que observa é outra.

Trate de conhecê-lo.”

 

* Foto: Lago das Cinco Flores, China.

* Texto extraído do Ebook: A lua aparece quando as águas se acalmam– Reflexões sobre o Dhamma – Ian McCrorie

Equanimidade do Ser

“Sê” e não “Se”, eis a questão.

Buscando a verdade,

seguindo a lei da natureza.

Buscando a lei da natureza,

seguindo a verdade.

“A lua aparece quando as águas se acalmam”

lua

Precisamos começar por onde estamos

não por onde desejamos estar.

Pois onde desejamos estar

é estarmos felizes onde estamos.

 

Podemos estar no inferno

mas se formos pacientes

e permitirmos ao inferno apenas ser infernal

então esse equilíbrio da mente,

esse contentamento tranquilo,

transforma inferno em paraíso.

 

A diferença de um dezesseis avos de polegada

entre paraíso e inferno

é equanimidade.

 

* Texto extraído do Ebook: A lua aparece quando as águas se acalmam– Reflexões sobre o Dhamma – Ian McCrorie

 

Reflexões sobre o Dhamma – Ian McCrorie

lua

“Siga o líder que não procura seguidores, ouça os conselhos de quem não os oferece.

Obedeça estritamente os ensinamentos daquele que fala bem de outros caminhos.

Respeite o guru cujo auto-retrato está ausente das paredes.

Faça oferendas àquele que nada cobra por qualquer ensinamento.

Reverencie aquele que pede se abstenha de tais formalidades.

Entregue-se ao professor que pede para questionar tudo o que ele diz e faz.

E ame o professor para o qual a medida da sua devoção é estar caminhando na trilha.”

 

É tão raro um mestre assim, que possivelmente está em nosso íntimo ser…

 

* Texto extraído do Ebook: A lua aparece quando as águas se acalmam – Reflexões sobre o Darma – Ian McCrorie