Um Sol Coração

Onde a vida está? Onde tu és?

Tag: equanimidade

souL AmoR

Caminho do meio… Caminho de coração…

Resultado de imagem para ponte para o coração

somos

somos um

somos um sol

somos um sol coração

 

A ponte entre o coração do ser e o coração da vida… Se faz, fazendo as pazes com a nossa consciência, a nossa criança e a nossa família… Somos um só coração…

A-ponte para o dia… Ó ponte para o dia…

Olho O olhO

Olho o Círculo… Circulando o Circu-lar…

12

É preciso. É precioso.

Somos cada folha… e a árvore.

Não se pode ter tudo… mas pode escolher estar aqui no agora.

Caminho Atual. Atualmente Caminho.

Resultado de imagem para 12:12

“Nunca faça nada para sempre. Exceto amar.” Mia Couto

 

* Fonte de Informação sobre o “Portal 333” (12/12/2019): Isaharaujo.com

Aceitação. Início da transformação.

“O oponente mais poderoso está dentro de nós mesmos.” Hidetaka Nishiyama

“Mantenha a cabeça fria se quiser ter ideias frescas.” Barão de Itararé

“A primeira impressão que temos quando ouvimos ou pensamos em aceitar, seja uma pessoa, um fato ou uma circunstância é de que estaremos nos submetendo ou nos subjugando, desistindo de lutar, sendo fracos.

De verdade, se quisermos modificar qualquer aspecto da nossa vida e de nós mesmos, devemos começar aceitando.

A aceitação é detentora de um poder transformador que só quem já experimentou pode avaliar.

É difícil aceitar uma perda material ou afetiva; uma dificuldade financeira; uma doença; uma humilhação; uma traição.

Mas a aceitação é um ato de força interior, sabedoria e humildade, pois existem inúmeras situações que não estão sob o nosso controle.

As pessoas são como são, dificilmente mudam. Não podemos contar com isso. A única pessoa que podemos mudar, somos nós mesmos, portanto, se não houver aceitação, o que estaremos fazendo é insensato, é insano. Ser resistente, brigar, revoltar-se, negar, deprimir, desesperar, indignar-se, culpar, culpar-se são reações emocionais carregadas de raiva. Raiva do outro, raiva de si mesmo, raiva da vida. E a raiva destrói, desagrega.

A aceitação é uma força que desconhecemos porque somos condicionados a lutar, a esbravejar, a brigar.

Aceitar não é desistir, nem tão pouco resignar-se. Aceitar é estar lúcido do momento presente e se assim a vida se apresenta, assim deve ser. Tudo está coordenado pela Lei da ação e reação.

No instante em que aceitamos, desmaterializamos situações que foram criadas por nós, soluções surgem naturalmente através da intuição ou fatos trazem as respostas e as saídas para o problema. Tudo é movimento. Nada é permanente.

A nossa tendência “natural” é resistir, não aceitar, combater tudo o que nos contraria e o que nos gera sofrimento. Dessa forma prolongamos a situação. Resistir só nos mantém presos dentro da situação desconfortável, muitas vezes perpetuando e tornando tudo mais complicado e pesado.

Quando não aceitamos nos tornamos amargos, revoltados, frustrados, insatisfeitos, cheios de rancor e tristeza, e esses padrões mentais e emocionais criam mais dificuldades, nunca trazem solução.

Aceitar é expandir a consciência e encontrar respostas, soluções, alívio. Aceitar é o que nos dá confiança.

É fundamental entender que aceitar não significa desistir, é seguir adiante com otimismo.

Ter muitos propósitos a serem atingidos é nossa atitude saudável diante da vida. Aceitar se refere ao momento presente, ao agora.

No instante que você aceita, você se entrega ao que a vida quer-lhe oferecer. Novas ideias surgem para prosseguir na direção desejada, saindo do sofrimento.”

Por Ana Cristina Pereira

Acerto de Contas

” WE > ME “

Imagem relacionada

Assumir os erros é acerto…

Banalizar erros é o erro.

Sem erros é possível

Com erros é possível

Sem acerto que é impossível.

E o que é acerto?

É 8 + 80 = Acert8 de C8ntas.

Brio e Equilíbrio

Ir a luta todo dia. Desfazendo mal-entendidos. Fazendo diariamente as pazes contigo.

Imagem relacionada

Se todos somos únicos, somos todos incomparáveis.

Sendo incomparável…

Você só pode ser melhor do que você mesmo.

Pode ser a melhor versão de si mesmo.

Por princípio, afinal, ser como é, sendo como sou… atualizável…

 

“Estar no mundo com seus altos e baixos, sozinhos ou acompanhados, é parte de uma mesma coisa: existir no aqui e agora.” Fritz Perls

 

Dá vida a sua vida.

Aproveite o dia.

Como se fosse

O último e o primeiro.

Pois assim é…

Imagem relacionada

Há um ponto de equilíbrio… que baliza a vida… Um princípio afinal, que rege os meios… Meios de todo um caminho que é… e somos… Sendo em equilíbrio…

Silêncio… não é esconder, guardar e esquecer aquilo que grita em si… que é senão, a sua vontade encoberta por padrões de pensamentos conflitantes e limitantes… Silêncio é o pano de fundo, um todo que permeia a tudo e todos… Silêncio é a fonte, a ponte e o fluxo… A voz da vacuidade…

Talvez, não se possa acrescentar mais dias a vida… Mas podemos dar mais vida aos dias…

Equanimidade do Ser

“Sê” e não “Se”, eis a questão.

Buscando a verdade,

seguindo a lei da natureza.

Buscando a lei da natureza,

seguindo a verdade.

“A lua aparece quando as águas se acalmam”

lua

Precisamos começar por onde estamos

não por onde desejamos estar.

Pois onde desejamos estar

é estarmos felizes onde estamos.

 

Podemos estar no inferno

mas se formos pacientes

e permitirmos ao inferno apenas ser infernal

então esse equilíbrio da mente,

esse contentamento tranquilo,

transforma inferno em paraíso.

 

A diferença de um dezesseis avos de polegada

entre paraíso e inferno

é equanimidade.

 

* Texto extraído do Ebook: A lua aparece quando as águas se acalmam– Reflexões sobre o Dhamma – Ian McCrorie

 

Conto zen: Equanimidade

Durante as guerras civis no Japão feudal, um exército invasor poderia facilmente dizimar uma cidade e tomar controle. Numa vila, todos fugiram apavorados ao saberem que um general famoso por sua fúria e crueldade estava se aproximando – todos exceto um mestre Zen, que vivia afastado.

Quando chegou à vila, seus batedores disseram que ninguém mais estava lá, além do monge. O general foi então ao templo, curioso em saber quem era tal homem. Quando ele lá chegou, o monge não o recebeu com a normal submissão e terror com que ele estava acostumado a ser tratado por todos; isso levou o general à fúria.

“Seu tolo!!” ele gritou enquanto desembainhava a espada, “não percebe que você está diante de um homem que pode trucidá-lo num piscar de olhos?!?”

Mas o mestre permaneceu completamente tranquilo.

“E você percebe,” o mestre replicou calmamente, “que você está diante de um homem que pode ser trucidado num piscar de olhos?”

 

Meu insight do momento: Podemos tudo já que somos responsáveis por tudo. Mas este “tudo” é prudente, respeitável e justo? Podemos ser o que quisermos… exceto deixar de ser aquele que somos.

FlexivelMente firme.

Imagem relacionada

“Se apertares esta corda demais, ela arrebenta;

e se a deixares solta demais, ela não toca.”

 

Manter-se flexivelmente firme, o suficiente para vibrar harmonicamente…