Um Sol Coração

Onde a vida está? Onde tu és?

Tag: vazio

Pai e Mãe, perFeito Filho.

sem dogmas, sem julgamentos, sem preconceitos… sempre amor…

Imagem relacionada

cruzando encruzilhadas

realizando a cruz

circulando o centro aberto

integrando sombra e luz…

Imagem relacionada

“Em nome do Incriado e do Criado e da Criação”… Amável e Imutável Mutação…

Imagem relacionada

Sou de fé enquanto sou aquele que é… Sou o caminho enquanto o caminho…

 

Na vertical e no horizonte e no íntimo… Um total… Em todas as direções, em lugar nenhum…

Nem buda nem cristo escaparam do sofrimento, pelo contrário, atravessaram seus próprios sofrimentos… e encontraram-se na inocência… no vazio, na impermanência… a vida eterna, em si a contínua presença…

“AUM”

Imagem relacionada

a queda

a corrente

e rio

 

O todo permanece impermanente…

Vida: Graça Absurda

A graça e o absurdo da existência…

Resultado de imagem para yin yang dragão tigre

Velam reVelando que… O todo é vazio, o vazio é o todo.

 

“Nuvem Vazia”

“É tempo de apagar as impressões (…) cavando em si mesmo um caminho para o coração.”

Imagem relacionada

nada é para sempre

nada é por acaso

nada é o que parece ser

nada existe

nada é vazio

nada é tudo o que há

nada é o que é

 

“Não começamos nada, não terminamos nada.” Lama Padma Samten

“Praticar a Via é realizar o Ser, perceber o Ser e esquecer o Ser, esquecer o Ser é ser Um com todas as coisas.” Dogen

“On-Z & On-Z”

morreu um morto em mim

nasce o vivo em si

 

não sei onde, nem sei quando

no aqui-agora do espaço-tempo

é sempre espaço-templo

 

espaçonave, tao espaço zen

em circulação, em transformação

viva o vivo, o mistério em revelação

 

“Sem o silêncio não há escuta. Sem escuta não há uma viva voz.”

 

 

“Haicai – Um Olhar Zen”

“Estrada de bambus
Ano novo chegando
Velho caminho”

“O Zen fez nascer em mim um olhar mais detalhista, às vezes minimalista, praticar o Haicai me mantém em plena atenção, percepção de tudo, de todos, do nada…”

“Brisa úmida
surpresa no fim da trilha.
Tesouro oculto.”

De origem japonesa, o Haiku (também conhecido como hokku, haikai ou Haicai) é uma breve composição poética, que tem raízes nas profundas relações do homem com a natureza. Esta arte obedece a uma forma estrutural de 17 sílabas ou fonemas, distribuídos em 3 versos. O fundamento filosófico do haiku possui bases budistas, conceituando que neste mundo em que estamos tudo é transitório, somos parte da natureza sujeitos e feitos de mudanças contínuas assim como as estações (outono, inverno, primavera, verão).

Ao amigo Monge Genshô

“Procurando a luz,
na madrugada de inverno.
Seguir no caminho.”

Raiz do Haicai – Nascido no séc. XVII, como (松尾金作) Matsuo Kinsaku (1644-1694), mas conhecido popularmente por Matsuo Bashô, possuía ligação intrínseca com o zen-budismo e sua busca pela iluminação. A visão de Bashô nos leva a conhecer o mundo por outro prisma, uma ótica fincada no desapego e na transitoriedade do ser.
Bashô sempre deixava fluir uma pitada de filosofia Zen Budista em suas obras, tornou-se a maior referência da poesia japonesa, sua sensibilidade emergia das profundezas do vazio, brotando forte e vigorosa.
Sua visão de mundo até hoje inspira milhões, o mestre andarilho foi metafórico em suas obras, mas não o suficiente para tirar a leveza do zen, talvez no dia que resolveu descansar em sua cabana, escolheu uma agraciada com a vizinhança de uma bananeira, a lenda fez o nome, e Bashô (Bananeira em japonês), passou a ser seu pseudônimo.
O haicai nasce da prática, da observação do que não é observado, e esta é a matriz deste fenômeno da poesia oriental.

“Lanternas de bambu
enfeitam o caminho.
Manhã nublada.”

“Olho para trás,
presente já é passado.
Folhas secas do zen.”

 

* Fonte: Blog HaicaiZen. Autoria de Fábio Azevedo (Hyaku Ryuu Kei)

Um Total

FB_IMG_1528495847737

Ao enxergar

Toda forma:

Vazia

Tudo terá sido:

Diferentemente

Agora

“Nada ter para dizer”

“O homem perfeito usa a sua mente como um espelho. Ela nada aprisiona e nada recusa. Recebe mas não conserva”. Chuang-Tzu

O ego pode ser entendido como “o processo consciente de pensar”:

A centopeia era feliz, completamente.

Até que, de brincadeira, lhe perguntou um sapo:

“Qual é a perna que primeiro moves?”

Tanto se atrapalhou a sua mente

que não mais conseguiu andar…

Ao ver a realidade como se apresenta e não como ela é, e se especializar em aspectos desta realidade aparente, há sempre o perigo de “não se ser capaz de ver a floresta por causa das árvores”.

“Aqueles que sabem não falam. Aqueles que falam não sabem.” Lao-Tsé

“A forma não é diferente do vazio. O vazio não é diferente da forma. A forma é o vazio. O vazio é a forma.”

“O fogo não espera pelo sol para ser quente. O vento não espera pela lua para ser frio.”

“Partem as flores quando nos dói perdê-las. A erva daninha chega quando nos dói vê-la crescer.” Dogen

O Zen começa no ponto em que já nada existe para tentar alcançar, nenhum ganho a haver.

“Na paisagem primaveril não há alto nem baixo. Os ramos floridos crescem naturalmente, uns longos, outros curtos.”

“O perfeito Caminho (Tao) é sem dificuldade.

Uma diferença da espessura de um cabelo

E eis separados o Céu e a Terra!

Se queres alcançar a Verdade nua e crua

Não te preocupes com o certo e o errado.

O conflito entre os dois é a doença da mente.

Cada ação, cada acontecimento surge por si próprio:

Da superfície de um lago tranquilo salta subitamente um peixe.”

“Sentado tranquilamente, nada fazendo. A primavera chega e a erva, cresce por si própria.” poema Zenrin

“Se compreenderes, as coisas são exatamente como são. Se não compreenderes, as coisas são exatamente como são.” poema Zenrin

Fonte/Artigo:  Zen – A arte do silêncio e do vazio

Lar AneLar

Imagem relacionada

com a noite, sou luz

com o silêncio, sou voz

com o vazio, sou todo

Lhe diz… silêncio.

Em si, o Ser lhe diz: Entre… Caminhe nas entrelinhas da corda bamba, encontre o equilíbrio no caminho do meio… Encontre-se no centro-aberto… no vazio inteiro, repleto de paz… Em teu silêncio, uma só voz… a voz que renova o silêncio…

 

“Não siga o passado, não se perca no futuro. O passado não existe mais, o futuro ainda não chegou. Observando profundamente a vida como ela é, aqui e agora, é que permanecemos equilibrados e livres.” Bhaddekaratta Sutta